domingo, 29 de novembro de 2009

DIÁRIO DE TURNÊ


Apresentação em São Leopoldo - 14/11/2009. Aniversário da atriz Dida Camero. Henrique, seu sobrinho no palco.

DIÁRIO DE TURNÊ





                         Apresentação no SESC Campo Bom - 13/11/2009

Logo de manhã chegamos ao município de Campo Bom. Fomos muito bem recebidos pela equipe do SESC de Novo Hamburgo, uma cidade bem próxima do local onde nos apresentamos. O Teatro é grande, praticamente 400 lugares. Como é dentro de uma escola tiveram muitos alunos. Tivemos também a presença de um grupo grande da maturidade do SESC presente. Foi bacana. Apresentação foi bem recebida pelo público que se surpreendeu bastante pelas diversas histórias sobre os ruivos. Amanhã seguimos para São Leopoldo, conhecida como a cidade universitária. Até mais...

Pedro Monteiro

terça-feira, 24 de novembro de 2009

DIÁRIO DE TURNÊ ( CARAZINHO )

   Chegamos para nossa última apresentação da Caravana Vermelha no Sul por volta das 14h. Carazinho é uma cidade bem próxima de Passo Fundo, aproximadamente 50 km de distância. A peça aconteceu dentro de um auditório da escola Notre Dame de Aparecida. É incrível a estrutura que foi montada de luz e som. Não somos nenhuma superprodução, mas demanda trabalho e investimento transformar um auditório de colégio em teatro. A sessão não foi tão cheia, pois teve um forte temporal três horas antes que afastou um pouco o público. Devia ter umas 150 pessoas, onde cabiam cerca de 400. Em Passo Fundo a chuva deixou a cidade sem luz. Depois da peça passamos no hotel, tomamos um banho e fomos comemorar o fim da primeira turnê da Caravana. Enquanto o resto da equipe chegou por volta das 4 da manhã, eu voltei antes das 2h. Tava mortinho. Amanhã acordamos cedo. Vamos conhecer uma vinícola. Ô coisa boa, tchê!

Pedro Monteiro

DIÁRIO DE TURNÊ ( SESC PASSO FUNDO)


                         Apresentação no SESC Passo Fundo - 18/11/2009.

Quarta-feira foi nosso dia de folga nessa semana intensa pelo Sul. Por isso, resolvemos conhecer um pouco as bandas de cá. Fomos primeiro para a cidade de Canela, que é conhecida por ser um grande polo de malha. Conhecemos uma igreja incrível, entrei e cheguei até a rezar, apesar de não existir nenhum santo ruivo. Depois partirmos para um parque da região. Lá, resolvemos saltar da tirolesa, cercados por uma paisagem sensacional. O que é um ponto vermelho no mato verde? Eu. O negócio era bem alto. Depois fomos para Gramado e aí foi só alegria. Comemos num restaurante ótimo, em frente ao palácio dos Festivais, compramos chocolates e saímos de lá logo após as luzes do natal de Gramado se acenderem. Partirmos então para Passo Fundo e chegamos na cidade por volta das 3 da manhã. Sono, muito sono. Por volta do meio dia, fomos para o belo teatro do SESC e lá ficamos. Um forte temporal caiu na cidade, mas não atrapalhou em nada a apresentação. Mais uma. Onde estivermos, lá estaremos fazendo a nossa parte: divulgando a nossa história para todos. Terminamos a noite num bar com sinuca, onde eu e o Felipe, do SESC, demos um banho no salão. Até o próximo diário, para esse Brasil verde-amarelo e ruivo.

Pedro Monteiro

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

JORNAL NH


                                                             Valeu: Vanderlei Arruda

VALE DO PARANHANA (TAQUARA)

DIÁRIO DE TURNÊ (Flores da Cunha)


Capital Nacional dos Ruivos -





           Apresentação em Flores da Cunha - capital nacional dos ruivos -ruivos unidos após a apresentação -17/11/2009.



   Nossa apresentação em Flores foi no colégio São José. Há muito tempo não passava uma peça por lá. Chegamos no dia da apresentação e nosso querido técnico de luz, João Gioia, deixou tudo em cima para subirmos ao pequeno palco do espaço, onde cabiam cerca de 120 pessoas. Depois dos teatros enormes de Gravataí, Campo Bom e São Leopoldo, foi legal também experimentar um espaço mais intimista.

   Para nossa surpresa, à procura foi bastante intensa. Com cadeiras extras, 172 pessoas se apertaram para nos ver. Parece que a divulgação e o borburinho funcionou, dei uma entrevista no jornal do almoço da RBS, e saiu matérias sobre a peça em alguns jornais locais. Pouco antes de entrar em cena Dida, que sempre troca uma ideia com o público logo no início, me avisou que nunca tinha visto tanto ruivo na plateia. Até o vice-prefeito da cidade era ruivo. A plateia respirava junto com a gente a cada fala, a cada piada. Dava para sentir a identificação com que estávamos dizendo. Não tive dúvidas em decretar, ainda em cena, Flores da Cunha como capital brasileira dos ruivos. A galera foi ao delírio... em breve colocaremos as fotos que estamos tirando na viagem. Para fechar o dia inesquecível, comemoramos com um vinhozinho no final da noite.


                                                                    Foto: Shamila Carpeggiani

Pedro Monteiro

DIÁRIO DE TURNÊ ( SESC Taquara )




Apresentação em Taquara - Clube Comercial - 16/11/2009

Chegamos em Taquara no horário da sesta, parecia uma cidade fantasma. O único lugar aberto foi um 'churras', acompanhados da simpática Vanessa, do Sesc. A gente se apresentou no clube comercial da cidade, onde foi montada uma boa estrutura, que transformou um salão em teatro. Foram cerca de 200 pessoas presentes. O grande momento da noite foi a corrida de nossa querida Sonia Margarita, em seu momento Corra Lola Corra. Com o amplo espaço do local, Sonia nunca correu tanto antes, dando voltas gigantescas em torno da plateia. Mesmo concorrendo com a chuva e a missa, em pleno domingo, foi legal ver a presença de publico numa cidade de cerca de 50 mil pessoas, que ainda não possui seu próprio teatro. A Caravana Vermelha está cumprindo sua missão: levar o teatro, a nossa história pra lugares que fazem parte do nosso imenso país.

Pedro Monteiro

terça-feira, 17 de novembro de 2009

DIÁRIO DE TURNÊ (SÃO LEOPOLDO)


          Apresentação em São Leopoldo - 14/11/2009. Aniversário da atriz Dida Camero. Henrique, seu sobrinho no palco.

O teatro da Unisinos é muito grande, aroximadamente 800 lugares. Apresentamos-nos lá, porque o teatro municipal da cidade de São Leopoldo já estava ocupado. Fica dentro de um complexo universitário bem grande. Essa é a cidade conhecida como universitária, por causa da tradição que esta faculdade tem na cidade. O público estava bem atencioso à história do nosso personagem Laranja e suas aventuras. No fim, cantamos um lindo parabéns para atriz Dida Camero, que “tá” de aniversário. É assim que os moradoes do Sul falam no dia do aniversário das pessoas. Por fim, comemos bolo e bebemos um vinho tri-bacana.

Pedro Monteiro

DIÁRIO DE TURNÊ (CAMPO BOM )

Logo de manhã chegamos ao município de Campo Bom, uma pequena cidade próxima a Novo Hamburgo. Lá, fomos muito bem recebidos pela equipe do SESC de Novo Hamburgo, uma cidade bem próxima do local onde fomos nos apresentar. O teatro é grande, com cerca de 450 lugares. Como é dentro de uma escola, houve muitos alunos. Tivemos também a presença de um grupo grande de um grupo de terceira idade trazido pelo SESC. Foi sensacional. Amanhã seguimos para São Leopoldo, conhecida como a cidade universitária. Até mais.

Pedro Monteiro

DIÁRIO DE TURNÊ ( SESC GRAVATAÍ)



Primeira coisa que fizemos, foi retirar o cenário do nosso depósito. Isso é uma coisa que nos preocupa bastante, porque o transporte de teatro para teatro desgasta o material. No aeroporto, fomos surpreendidos com o atendente da Azul Linhas aéreas (Transportadora oficial da Caravana Vermelha) que é ruivo e já havia assistido a peça. A viagem foi ótima. O teatro do SESC de Gravataí é uma referência. Tem dois anos no máximo. Moderno, amplo e com mais de 700 lugares. A peça pela primeira vez saiu do Estado do Rio de Janeiro. Isso nos preocupava um pouco, não sabíamos como seria a recepção. Foi bem bacana. Atentos, ouviram e riram das nossas histórias e, além disso, entenderam que a peça é feita pra todos. É a visão do preconceito visto pelos olhos dos ruivos. Companheiros vou parar por aqui. 02h40min da madruga. Amanhã partirmos para outra cidade: Campo Bom.


Pedro Monterio

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O DIÁRIO DE QUEM FICA






Os ruivos estão viajando hoje. Não sei exatamente a que horas. Vamos ter um diário de turnê das apresentações feitas pelo sul. Uns vão, outros ficam. Pensei em fazer o diário de quem fica. Poderia começar assim: viajar é morrer um pouco para quem fica e nascer de novo para quem vai. É sentir a perda, sem ter perdido, e perder sem ver jamais. É ficar longe, mas sentir que está perto ou que nunca se foi; pois estou certo de que eles vão, mas as minhas idéias, minhas piadas, seguem com eles.



Estarei daqui torcendo e imaginando, enquanto não chega os emails. Através deles vamos introduzir uma mídia nova em nosso blog: o rádio blog. Vou narrar os diários do Pedro para as pessoas que possuem alguma deficiência visual. É importante incluir sempre, o máximo que pudermos. Fazer o nosso Movimento Vermelho entrar em todas as mídias. Você vai poder saber tudo que acontece na turnê ouvindo o diário de Turnê do Pedro.


E quanto ao diário de quem fica? Na verdade quem fica chora, no bom sentido. Vale esperar pelos amigos e novidades, pois o adeus da janela fechada será aberto com o abraço de boas vindas. Abraços para amigos ruivos. Leonardo Neves.

Veja abaixo o local de apresentação no Sul.


Todas as 20hs.


Gravataí – 12/11


Local: Teatro SESC Gravataí - Anapio Gomes, 1241


Campo Bom – 13/11



Local: Teatro do CEI – Av. dos Estados, 1080 – Campo Bom

São Leopoldo – 14/11


Local: Anfiteatro Padre Werner – UNISINOS - Av. Unisinos, 950

Taquara – 15/11


Local: Clube Comercial – R. Júlio de Castilhos, 2735

Flores da Cunha – 16/11


Local: Espaço Cultural São José - Rua Barros Cassal,777 - Centro

Passo Fundo – 18/11


Local: Teatro do SESC – Av. Brasil, 30

Carazinho – 19/11


Local: Auditório do Colégio Aparecida - Rua Bernardo Paz, 140



UM OLHAR RUIVO

Depois de ver a peça você realmente muda e começa a perceber ruivos por todos os lados. Isso é uma sina. Quem já viu a peça sabe que olhos se abrem para um mundo ruivo, um mundo sem preconceito de cor. A prova disso é o nosso amigo, Rodrigo Santos, que depois de ver a peça começou a ver ruivos e a perceber o quanto nos tornamos presente, após nosso Movimento Vermelho. Explica aí Rodrigo.


"Oi, gente! Tudo bem?Assisti vocês no Sesc SG e gostei muito...E como vocês disseram, passei a ter uma percepção maior aos ruivos e esses dias passando por uma rua em Niterói (Passo por lá sempre) me deparei com a foto de um garotinho ruivo numa propaganda de iogurte... Nunca tinha reparado e já faz um ano que passo sempre por lá!! Vou ficando por aqui!! Abraço pra todos e até a próxima!"

 Escreveu  Rodrigo Santos


                                       

terça-feira, 10 de novembro de 2009

"OS RUIVOS" GANHA O SUL DO PAIS


ESTAMOS VOANDO PARA O SUL,  PARA  DAR INÍCIO AO NOSSO SONHO INICIAL : DIVULGAR O MOVIMENTO VERMELHO PELO BRASIL E, QUEM SABE, PELO MUNDO. ESPERAMOS VOCÊS EM NOSSAS APRESENTAÇÕES. EM BREVE, DIVULGAREMOS OS HORÁRIOS E AS DATAS DE CADA LOCAL.

domingo, 8 de novembro de 2009

PEDRO! SAMBA AÍ...

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

DIÁRIO DE TURNÊ – SESC Nova Friburgo





Saímos cedo do Humaitá, onde fica nosso depósito. A viagem durou em média cinco horas ida e volta. Pegamos uma chuva na saída da cidade, próximo da ponte. Nessa viagem, foi na Van a mesma equipe que vai fazer a Caravana Vermelha pelo Brasil: Eu, Dida, Carol, Goia e João. São as atrizes, o operador e o produtor. O teatro é bem bacana e fica dentro, praticamente de um clube do SESC. Tava um pouco frio, mas o público apareceu. Foi bom. No final paramos na estrada, bebemos um guaraná e ouvimos um videokê bem esquisito. Antes das duas da manhã chegamos ao Rio. Agora a Caravana Vermelha sai do sudeste e caminha para o sul. São os ruivos, levando a peça e o movimento pra esse grande Brasil. Avante!






terça-feira, 3 de novembro de 2009

DIÁRIO DE TURNÊ - um ano em cartaz- SESC São Gonçalo


Dia 30 de outubro de 2009 fizemos a nossa apresentação número 110 e comemoramos 1 ano em cartaz. Pra nós, um dia histórico e emocionante. Saímos por volta das 14 horas do nosso depósito por causa do feriadão e tínhamos medo de apanhar um engarrafamento na ponte e complicar a nossa produção pra fazer a peça. Como estamos agora viajando, temos que realizar sempre o mesmo ritual de montarmos tudo (cenário/iluminação/som) e depois a peça em si. O SESC São Gonçalo é ótimo. Uma estrutura muito bacana. Nota 10. O público tava presente e no final ainda cantou parabéns pelo nosso aniversário. E a Caravana Vermelha continua...