sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

FELIZ NATAL

"Desejo a você...



Fruto do mato


Cheiro de jardim


Namoro no portão


Domingo sem chuva


Segunda sem mau humor


Sábado com seu amor


Ouvir uma palavra amável


Ter uma surpresa agradável


Noite de lua Cheia


Rever uma velha amizade


Ter fé em Deus


Não ter que ouvir a palavra não


Nem nunca, nem jamais e adeus.


Rir como criança


Ouvir canto de passarinho


Escrever um poema de Amor


Que nunca será rasgado


Formar um par ideal


Tomar banho de cachoeira


Aprender uma nova canção


Esperar alguém na estação


Queijo com goiabada


Pôr-do-Sol na roça


Uma festa


Um violão


Uma seresta


Recordar um amor antigo


Ter um ombro sempre amigo


Bater palmas de alegria


Uma tarde amena


Calçar um velho chinelo


Sentar numa velha poltrona


Tocar violão para alguém


Ouvir a chuva no telhado


Vinho branco


Bolero de Ravel...


E muito carinho meu".


DRUMOND
 









segunda-feira, 15 de novembro de 2010

VIVO O RUIVO

    Agora em novembro, nós da peça "Os Ruivos", fomos convidados pela empresa Vivo Telefonia para dar uma palestra na Convenção Regional Leste 2010. O convite foi com o objetivo de falarmos sobre a história do surgimento da peça, o sucesso da nossa narrativa transmídia, e a bela associação de nosso produto a uma marca de protetor solar em cena. O evento foi para 600 executivos, em um hotel em Angra dos Reis, onde vários profissionais falaram sobre seus trabalhos integrados a novas tecnologias, e como isso afeta diretamente o sucesso de seus cases.

  Ao lado dos Ruivos destacamos: Claudio Mendes, que desenvolveu uma parceria junto com uma empresa na implantação da rede 3G no trabalho da pesca. Atitude que mudou a vida econômica social e educacional na Bahia. Paulo Moura, gerente do Infoglobo, falou sobre o presente e o futuro no Jornal O Globo. Não podemos esquecer o professor de comportamento, Sergio Lage, que abordou o consumidor pós redes sociais, e o que esperar das empresas.

  Foi muito gratificante falar sobre a nossa ideia de fazer uma peça sobre Os Ruivos, o nosso "Movimento Vermelho", e Caravana Vermelha pelas redes sociais, (Com destaque para a comunidade de mais de 300 mil usuários no Orkut) as viagens pelo Brasil e o sucesso em mais de 140 apresentações.

   Assim fomos considerados, pelos próprios palestrantes e pelos executivos da Vivo – Leste, como o grande destaque de 2010 em Bradent Content, nos palcos cariocas, pela inteligente associação e o uso do protetor solar em cena.

Vida longa para todos os ruivos.
Tamos juntos e misturados.



domingo, 24 de outubro de 2010

Temporada Mineira.



A passagem da peça “Os Ruivos”, com a sua Caravana Vermelha por Minas Gerais, foi um sucesso. Tivemos a honra e ficamos muito felizes em abrir o 3 dia. Festival Nacional de Teatro de Itaúna no último dia 14 de Outubro. Nas duas sessões tivemos o teatro lotado com um público muito interessado em conhecer a nossa peça, que na cidade mineira, realizou sua apresentação número 134 desde a nossa estreia, em Outubro de 2008.


Fomos muito bem recebidos pela produção do Festival (Charles, Regina, Felipe e Pedro) que nos buscaram no aeroporto no dia 13. De lá, seguimos pra cidade e fomos direto para o teatro, deixar todo nosso cenário e matar a curiosidade em conhecer o teatro do SESI, por sinal muito bem cuidado pela administração do Sr. Marco. Depois, fomos conhecer a cidade e as cachoeiras.


A noite de estreia foi muito prazerosa, incluindo a festa de lançamento do festival. Lá tivemos um contato próximo com o público que manifestou suas considerações e com isso nos deu a sensação de dever cumprido: Levar teatro para o Brasil e proporcionar uma reflexão sobre preconceito, mas sempre com bom humor, pois rindo a gente sofre menos.


Fica um gostinho de querer mais, não só pra voltar a outras cidades mineiras, que não conhecemos ainda, como também a outros lugares do norte, nordeste e centro oeste do Brasil.


A Caravana Vermelha continua, afinal de contas o negócio tá ruço pro Russo.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Peça Os Ruivos no festival de Itúna –MG

         
   A peça “Os Ruivos” faz apresentação, hoje, no 3º Festival Nacional de Teatro de Itaúna, em MG. A chega ao festival, com conforto e segurança só foi possível graças Azul Linhas Aéreas Brasileiras. Tivemos uma apresentação ontem e hoje esperamos o mesmo público caloroso e receptivo. São onze dias de muita diversão e cultura. O evento que acontece entre os dias 14 e 24 de outubro, com 13 espetáculos de palco, espetáculos de rua e espaço alternativo, além de quatro oficinas totalmente gratuitas e uma palestra sobre leis de incentivo à cultura, Serve para continuarmos nossa saga em busca dos ruivos por todo Brasil.

A proposta do Festival Nacional de Teatro de Itaúna é a democratização e ampliação do acesso da comunidade às artes cênicas. Concebida para ser bienal, a mostra teve duas edições com absoluto sucesso de público, em 2005 e 2008. Em 11 dias de festival, Itaúna vai receber grupos teatrais do Rio de Janeiro, Pernambuco e Belo Horizonte.

Os espetáculos:

“Os Ruivos” – Cia Jogo de Cena – Rio de Janeiro

“O Acidente” – Visível Núcleo – Pernambuco

“Negro de Estimação” (solo de teatro e dança) – Visível Núcleo – Pernambuco

“O Diário Secreto de Lorri (baseado em conto de Hilda Hilst) – atores independentes

“São Francisco de Assis à Foz” – Cia P´atuá (será apresentada também em Divinópolis)

“Sgroft, Herética ou Ninguém” – Grupo Carabina

“O Pequeno Grande Encontro” – Cia Circunstância

“De Mudança” – Cia Circunstância

“1961-2010” – Zap 18

“Próxima edição – espreme que sai sangue” – Cia Malarrumada

“A História de Édipo” – Cia Andante de Teatro

“O Pastelão” – Grupo Trama de Teatro (apresentação em Itatiaiuçu)

As oficinas:

Rítmica Corporal – Mônica Ribeiro

Intervenção Cênica – Carlos Rocha

Confecção e manipulação de bonecos de materiais recicláveis – Sumaia Costa

Acrobacia Cênica e técnica circense – Cia Andante de Teatro

Saiba Mais sobre  Festival de Itauna- MG

Ping Pong Com Ruivos


 
Vamos reproduzir aqui uma entrevista no formato Ping Pong, ou seja, perguntas e respostas que saiu no site Vizoo com Pedro Monteiro, nosso representante Ruivo. Já me pediram para fazer entrevistas com ruivos Famosos. Estamos produzindo. Logo, logo, vamos passar a publicar entrevistas, no mesmo formato, para o deleite dos ruivos do nosso blog. Fique com a primeira: Pedro Monteiro.

Vizoo – Você contribuiu na criação do personagem do comercial da Skol ou "apenas" interpretou um previamente bem definido?

Pedro Monteiro – Sim, contribuí. O personagem tava definido como um homem de 25 anos, engraçado e que “soubesse” dançar algo descontraído em cima da música que eles usariam para o filme.

V – Aquela dancinha impagavel, é "sua" ou te ensinaram?

PM – A indicação da direção (Clóvis Bueno, o cara dirige grande parte das campanhas publicitárias) foi que, a cada colocação de adereço, eu fizesse uma movimentação diferente e, com a chegada do Beto Barbosa, dançasse junto com ele. Assim criei aquela lambada “sem vergonha” que não deixa de ser o que nós homens, quando éramos moleques na década de 90, tentávamos fazer pra dançar com as meninas. Mexe o braço, balança a cintura e dá uns chutinhos pro lado.


V – Está tendo que ensiná-la (a dancinha) para amigos e fãs?

PM – Hahaha, os amigos não chegam a pedir isso pois é meio cara de pau alguém vir pedir isso pra mim, mas hoje mesmo (segunda-feira) uma mulher me reconheceu dentro do bar e pediu pra eu dançar pra ela; eu dei uma risada, agradeci e brinquei que só danço lambada quando estou com a minha sunga de crochê. Esse filme tá uma loucura, todo dia vem alguém que não conheço comentar o filme, perguntar se eu virei amigo do Beto Barbosa, se vou desfilar no carnaval com aquela roupa no bloco das pochete, tá uma loucura.

V – De alguma forma se arrepende do comercial?

PM – De forma alguma. Quando recebi o roteiro gostei do que li e quis fazer o teste (ao todo foram por volta de 60 pessoas no casting). O filme é de cerveja mas não tem apelação para mulher gostosa, tipos físicos e nem de opção sexual. Isso é muito bom. Poder fazer graça sem ser preconceituoso. Pude brincar de Trapalhões com sunga de crochê, óculos new wave e barriga nada tanquinho.

V – A peça publicitária está alavancando sua carreira de garoto-propaganda?

PM – Ao todo já devo ter feito uns 20 filmes para publicidade. Antes do “Adocica” já fui nerd em 10 filmes; inclusive fiz uma campanha chamada “Zé Ruela” pra outra cerveja, onde fazia o papel-título, mas nada se compara a esse filme. Já recebi convite pra fazer um outro filme para um outro produto, mas como a minha carreira é voltada para outras coisas, não me sinto obrigado a fazer qualquer campanha e assim posso ter calma pra resolver o que vou fazer.

V – Além da peça "Os ruivos" e o filme "Vida de balconista" (lançado em DVD recentemente), o que mais você tem feito ultimamente?

PM – Continuo fazendo a peça “Os Ruivos”, que agora em outubro se apresenta em Minas Gerais. Viajo para os festivais de cinema divulgando o longa “Vida de balconista”, que participa esse mês de festival em Sergipe e em novembro segue para o Gramado Cine e Vídeo. Apresento o programa de rádio “Humor de segunda”, toda segunda de 12h às 13h e das 18h às 19h na rádio 94.1 FM Roquete Pinto. Também estou na tevê, fazendo a série “Open bar” com Silvio Guindane, na qual faço o garçom Bigode, todo domingo às 22h no canal Multishow, e acompanho a minha série “Mateus o Balconista”, que passa todo dia às 21h no canal Mix TV da Net. Por fim, dou aula de teatro há 10 anos numa escola no Humaitá, no Rio. Depois, tomo uma cervejinha pra relaxar.

para acessar a matéria na integra.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O RUIVO MAIS FALADO DO BRASIL

                                                                       Pedro e Beto Barbosa

Aí está ele. O ruivo de nossa peça fazendo sucesso na mídia. Sendo imitado por todo o Brasil. Se não bastasse, no dia 07 de Setembro, dia em que a cidade de Breda, na Holanda, comemora o dia internacional dos Ruivos, o nosso Ruivo daqui ganhou uma matéria no Jornal Extra, leia e divirta-se.

Um cara ruivo um tanto rebolativo, usando sunga de crochê, pochete, blazer com ombreira e óculos new wave tem chamado atenção na TV. Num comercial de cerveja, o tal garotão aparece na companhia de Beto Barbosa, o Rei da Lambada, que, depois de anos longe da mídia, ressurge cantando “Adocica”, seu maior sucesso.

— A gente filmou faz uns cinco meses, mas só foi para o ar agora, há pouco mais de dez dias. Tem repercutido muito! — diz o ator carioca Pedro Monteiro, de 32 anos, o tal ruivo sem pudores do comercial, que ensina aos telespectadores a melhor forma de queimar o filme num churrasco: — Noutro dia eu estava na academia e uma moça começou a comentar sobre o comercial, rindo. Quando ela me reconheceu, ficou toda sem graça! Já fui cumprimentado no ônibus também, e uma aluna minha de teatro, de 4 anos, me perguntou: “Pedro, por que você está de cueca na televisão?”.

Beto Barbosa também tem aproveita a atual exposição: está negociando um show para outubro no Canecão em comemoração aos 25 anos de carreira. Mas engana-se quem pensa que o cantor paraense ficou sem trabalho nos últimos anos:

— Tudo que é sucesso e fica muito exposto dá aquela canseira natural, a mídia precisa de assuntos novos. Fiquei afastado do sudeste e do sul do Brasil, mas nunca parei de fazer show. Nas regiões norte e nordeste minha força é maior.

Outros comerciais

   Pedro fez cerca de 15 comerciais de TV, entre eles o de uma outra marca de cerveja, em que interpretava o “Zé Ruela”, e o de uma marca de operadora de celular, em que fazia “o ligador”. No cinema, atuou em “Vida de balconista”, com o amigo Mateus Solano — o filme foi atração no último Festival do Rio e entra este mês na programação do canal por assinatura Canal Brasil.

Na TV

O ator carioca acaba de estrear no Multishow, integrando o elenco do seriado “Open bar”. O primeiro episódio passou no último domingo. Serão, ao todo, 12 capítulos. “É um programa de humor que se passa dentro de um bar. Tem o Silvio Guindane, o Toni Tornado... Eu interpreto um garçom”, conta. No mesmo canal, Pedro estará em “Na fama, na lama”, que estreia em novembro. “Eu vou fazer um vendedor de produtos de beleza que é namorado do personagem do Luiz Salém”, diz Pedro, sem revelar se vai ter beijo na boca.



obs: a matéria do Jornal Extra foi editada para que tivesse um foco com o nosso linha editorial, mas caso queira ler a matéria na integra é só acessar: http://extra.globo.com/lazer/sessaoextra/posts/2010/09/07/beto-barbosa-faz-sucesso-com-adocica-num-comercial-de-cerveja-322257.asp

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Ruivo com sunga de Crochê

O Ruivo com Sunga de Crochê

    “Adocica meu amor adocica, adocica meu amor a minha vida”. Os versos de Beto Barbosa trazem a tona um fato que, para mim, tornou-se histórico. Só duas pessoas usaram sunga de crochê, em púbico, e tiveram grande repercussão na mídia. Uma é o candidato a Governador Gabeira e a outra é Pedro Monteiro, o ator da comédia “Os Ruivos”. Não estou aqui pedindo voto para nenhum dos dois, mas a propaganda da cervejaria é um sucesso, ou melhor, mais um sucesso do ator Pedro Monteiro que despontou para os holofotes da mídia com a peça “Os Ruivos”, mas também tem sido bastante elogiado pela crítica especializada de cinema quando se fala em “Vida de Balconista”, filme onde Pedro assina o roteiro ao lado de Cavi Borges.

      E pensar que tudo começou quando Pedro Monteiro, ao passar em um teste para um comercial de TV, descobre na hora da gravação, que na verdade o ator que deveria fazer o seu papel era um negro, e não um ruivo, ou seja, perdeu o papel. Decepções a parte, Pedro Convida o jornalista Leonardo Neves, negro, para juntos escrever a peça sobre ruivos.

     Vale lembrar que o ruivo de óculos New Wave e sunga de crochê, pochete, além do blazer com ombreiras, já foi o “Zé Ruela” de outra propaganda de cerveja. Só falta agora Pedro fazer show pelo Brasil com Beto Barbosa.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

RUIVOS SOMOS TODOS NÓS!!

     Outro dia uma menina ruiva me parou na rua, aqui no Rio de Janeiro, e me perguntou se a peça ainda estava em cartaz. Eu falei que sim. Aqui no Rio ainda ainda não temos data para voltar. Expliquei também que estamos viajando pelo Brasil, apresentando a peça em algumas cidades. A menina falou, logo em seguida, que ficou impressionada com à proporção que a peça tomou, ainda mais por ser tratar de um tema muito “restrito”: os ruivos.

     A peça, como o próprio nome já diz, fala dos ruivos. O que essa menina, não sabe, e que muita gente também não sabe, é que esta peça fala também de outras pessoas que necessariamente não são ruivas, mas já passaram ou até passam por situações que são colocados como diferentes; fora de um padrão estético. Ao invés de “Os Ruivos” a peça poderia ter tido outro nome, como realmente teve, pois quando escrevemos a peça, a mesma chamava-se “Os Excluídos”. Só trocamos depois de muita insistência.

  Todos estão convidados a compartilhar momentos de exclusão com muito humor, pois já basta o quanto choramos ou nos sentimos mal por termos essa cor de pêlo, essas sardas pelo corpo e virarmos ponto de referência. Na peça podem chegar ruivos, pardos, negros, gordos, magricelas, cabeludos, barrigudos e todos os outros que, mesmo eu não escrevendo aqui, se identificam com a nossa intenção.


PEDRO MONTEIRO

sexta-feira, 23 de julho de 2010

O CHARME E O FASCÍNIO DOS "VERMELHOS"


MATERIA DE : MARIANA LAGE ( JORNAL PAMPULHA)

Sentada na porta de casa, solitária, numa rua deserta sob um sol escaldante, uma menina ruiva soluça em desalento. À espera de quê, não se sabe. Na paisagem, apenas uma pessoa a esperar o ônibus. "Numa terra de morenos, ser ruivo era uma revolta involuntária", descreve o narrador a respeito da menina, personagem do conto "Tentação", da escritora Clarice Lispector. Contudo, eis que, dobrando a esquina, surge sua "outra metade nesse mundo": um basset ruivo.

A identificação da pequena ruiva com o cão de pelo vermelho coloca em destaque o sentimento de não-pertencimento, de diferenciação e até isolamento que muitas crianças ruivas experimentam durante a infância e adolescência. Apelidos como cabeça de fósforo, pica-pau, cabelo de fogo e até grampola (referência a uma personagem da novela "Indomada", exibida pela Rede Globo em 1997), marcaram meninos e meninas que depois, na vida adulta, são reconhecidos como detentores de uma beleza extraordinária.

Apenas 4% de toda a população, os ruivos desde sempre despertaram fascínio e curiosidade, ao mesmo tempo em que foram estigmatizadas pela história - os gregos acreditavam que eles se transformavam em vampiros depois de mortos e os egípcios enterravam seus homens de cabelos vermelhos ainda vivos em homenagem aos seus deuses.

 
Ser diferente

O ano passado, uma exposição da fotógrafa inglesa Jenny Wicks em Londres mostrava uma série de imagens de ruivos acompanhadas de seus relatos sobre o preconceito que sofreram. Mas, se por um lado, hoje ainda exista algum tipo de discriminação - principalmente no Reino Unido, onde se concentra a maior população de ruivos do planeta - na internet, nas passarelas ou nas salas de espetáculos eles adquirem outro status, chegando a ser, inclusive, objeto de pesquisa de sexólogos tamanho encanto que despertam.

Motivada pelas memórias da infância, a atriz norte-americana Julianne Moore escreveu seu primeiro livro infanto-juvenil "Morango Sardento", contando como conseguiu superar o apelido pejorativo. O livro, que já vendeu mais de 50 mil exemplares nos Estados Unidos, chegou ao Brasil no final do mês passado. "Todas as crianças do bairro caçoavam do meu cabelo ruivo e das sardas", conta a atriz em entrevista para Cosac Naify, editora responsável pela edição brasileira. Ela explica que o apelido veio de um suco instantâneo muito popular nos Estados Unidos entre os anos de 1960 e 1970. "Eu achava o apelido muito humilhante. Depois, ao crescer, vi que não era tão ruim. Era até bonitinho".

A atriz Débora Bloch, que assina a quarta capa do livro, tem visão semelhante. "Eu achava feio ser sardenta", conta. Contudo, as coisas mudaram depois que se tornou adulta. "Quando a gente é criança, sempre pensa que é melhor ser diferente do que a gente é. Mas quando cresce, descobre que tanto faz".

Seu pai, o também ator Jonas Bloch, conta que não sofreu tanto preconceito ou diferenciação. "Os cabelos não provocaram tantos comentários como as sardas. Tanto eu como a Débora temos sardas, o que sempre gerou comentários simpáticos. Se houvesse algum preconceito de alguém, seria de uma pessoa menor, que não merece respeito", afirma. "As pessoas diferentes da maioria costumam ser discriminadas. É medíocre uma atitude como essa. Como diz Caetano em sua música: ‘Narciso acha feio o que não é espelho’", analisa.



sexta-feira, 9 de julho de 2010

Copa do Mundo de 2010 – A final é Ruiva!

     

     Pela primeira vez uma Copa do Mundo é realizada no continente Africano. Também pela primeira vez haverá uma final com duas seleções que nunca foram campeãs. Agora, o que ninguém notificou ainda, é que essa final será totalmente ruiva. De um lado as laranjas holandesas, do outro as vermelhas espanholas.
      Os pêlos alaranjados ou avermelhados são as características mais claras e objetivas para reconhecer uma pessoa ruiva. Além disso, na maioria das vezes, os portadores dos pêlos possuem sardas e pele clara. Resta lembrar que existem diversos “tipos” de ruivos, entre eles, ruivos sem presença de sarda, como também ruivos de pele negra. Vamos combinar que isso é maravilhoso! Num mundo tão misturado e mestiço como o Brasil, o ser ruivo se torna amplo, com representantes brancos, negros, pardos, cabelo liso, cabelo ondulado, cabelo crespo, com sarda ou sem elas; mas sempre com os pêlos da cor vermelha e laranja.
      Já que o Brasil perdeu e foi eliminado, já que o Uruguai foi o último representante da América e também perdeu. Vou torcer para que a final seja maravilhosa e que ambas as equipes honrem as cores que estarão presente em todo mundo através da televisão. Até por que, seja qual for o campeão, nós ruivos estaremos bem representados.


P.S: Mas a Holanda já é nossa querida há anos, pois criou o dia nacional dos ruivos. Que é celebrado todo dia 7 de setembro. Mais uma vez confirmamos que esse povo não tá de bobeira, não é mesmo?

Ass:Pedro Monteiro

sexta-feira, 2 de julho de 2010

RUIVOS: UMA VERDADEIRA PAIXÃO MUNDIAL.

       Nossa rede não se desconecta nunca, apenas diminuí a força. Em tempos de Copa do Mundo, o coração sai pela boca e vai para mão, a cabeça fica na chuteira. A bola passa a ser nossa paixão nacional e, assim, dedicamos muito tempo discutindo sobre o Brasil e seus personagens. Enquanto a Jabulane rola, nos gramados de Joanesburgo, nosso olhar ruivo não se desliga nunca, e pelo visto, nem o de vocês, pois chegamos a mais de 30 mil acessos em nosso blog. Para comemorar tal feito ligamos a rede e temos notícias frescas.

      A primeira é o Programa de rádio, “Humor de Segunda até Segunda Ordem”, apresentado pelo ruivo Pedro Monteiro com produção e comentários de Leonardo Neves, que também é autor da peça “Os Ruivos”. Enquanto a peça se prepara para atacar em novos gramados. A dupla apresenta o programa na rádio Roquete Pinto, 94,1 FM, toda segunda-feira, de 12:00 à 13:00. O programa é para liberar os corpos encachaçados do final de semana e ajudar, com humor, a superar a saída do Brasil da Copa.

      A segunda novidade é o livro da Ruiva, Julianne Moore, que é uma das maiores estrela de Hollywood e, agora, resolveu usar o apelido que lhe deram na escola, ‘Morango Sardento’, como título do seu livro. Em 40 páginas, a atriz relembra o que passou por ter nascido com cabelo vermelho. Até banho com suco de limão ela tomou para se livrar das pintas. Outra ruiva que surgiu foi a espiã russa presa nos EUA. Willian Bonner, apresentador do JN, colocou várias vezes a foto da ruiva em rede nacional. Ruivo deve evitar ser espião, pois é facilmente identificado.

      Ah! Quer saber mais sobre a seleção brasileira? Não merece comentários. Fatos previsíveis. A bola segue. Cotamos com a participação e audiência dos ruivos, em nosso programa de rádio, pois ser brasileiro é muito bom, mas ser ruivo é paixão mundial.

                                                            MORANGO SARDENTO

domingo, 30 de maio de 2010

NITERÓI, AÍ VAMOS NÓS!


Nosso espetáculo está de volta e, agora, em Niterói . Nosso peça vai estar no Teatro Eduardo Kraichete, no Espaço Cultural  AMF/Unimed, na Avenida Roberto Silveira, 123, Icaraí, Niteroí, RJ. Você não pode perder esta curta temporada nos dias: 4, 5, 6, de Junho. Sexta e Sábado às 21h e Domingo às 20h.

                                   ESPERAMOS VOCÊS LÁ!





quarta-feira, 12 de maio de 2010

É ISSO QUE ELES QUEREM FAZER COM A GENTE?

Eu fui perseguido por este vídeo. Várias pessoas estão falando sobro o sucesso ou o espanto que este vídeo causa. Bem, click no link e de a sua opinião.





                                                M.I.A

quinta-feira, 6 de maio de 2010

MUSICOS, RUIVOS E FAMOSOS

    Olá pessoal!!! Meu nome é Renan Angelo, moro em São Paulo-SP, descobri recentemente o blog "os ruivos" e eu acho que seria legal postar alguns famosos da música, então ai vai uma pequena contribuição de alguns ruivos de bandas que eu curto pra caramba. Na listinha está Mark Lanegan ex-Screming Trees e participações no Queens Of The Stone Age, Melissa Auf der Maur do Hole (banda da ex-mulher do famoso e lendário Kurt Cobain), Josh Homme do Queens Of The Stone Age, Dave Mustaine do Megadeth e a maravilhosa Simone Simons do Epica.

Espero que vocês apareçam por São Paulo beleza?!

ps. sou ruivo também e adoro meu cabelo = )


Valeu Renam!!!

 Vamos aparecer em Sampa sim. Galera,  faça como o Renan, mande o seu post para nosso e-mail. Aqui o nosso blog é seu. Quem  lembrar de um famoso na música, ruivo, é só deixar um comentário. Pode e deve ser brasileiro Também. Tem vários, conto com vocês.


David Mustaine

Josh Homme


Mark Lanegan


Melisa Auf



Simone Simons

terça-feira, 4 de maio de 2010

quarta-feira, 7 de abril de 2010

CONTOS RUIVOS

    Resolvemos postar o  texto da escritora, Clarice Lispector, enviado pela nossa leitora, Ana Galeano, e abrir a série: Contos Ruivos, desperte o escritor(a) que existe em você. Mande um conto ruivo feito por você ou por algum escritor conhecido. O nosso blog esta aberto para novos talentos.  O nosso e-mail é osruivos@uol.com.br. Quem sabe não fazemos um livro só de contos sobre Ruivos. Só depende de você. Para incentivo de nossos colegas ruivos, na próxima edição, Pedro e eu faremos um conto ruivo para os visitantes do blog.

                                             Clarice Lispector




                                                     TENTAÇÃO

Clarice Lispector


      Ela estava com soluço. E como se não bastasse a claridade das duas horas, ela era ruiva. Na rua vazia as pedras vibravam de calor, a cabeça da menina flamejava. Sentada nos degraus de sua casa, ela suportava. Ninguém na rua, só uma pessoa esperando inutilmente no ponto de bonde. E como se não bastasse seu olhar submisso e paciente, o soluço a interrompia de momento a momento, abalando o queixo que se apoiava conformado na mão. Que fazer de uma menina ruiva com soluço? Olhamo-nos sem palavras, desalento contra desalento. Na sua deserta nenhum sinal de bonde. Numa terra de morenos, ser ruivo era uma revolta involuntária. Que importava se num dia futuro sua marca ia fazê-la erguer insolente uma cabeça de mulher? Por enquanto ela estava sentada num degrau faiscante da porta, às duas horas. O que a salvava era uma bolsa vermelha de senhora, com alça partida. Segurava-a com um amor conjugal já habituado, apertando-a contra os joelhos.

     Foi quando se aproximou a sua outra metade neste mundo, um irmão em Grajaú. A possibilidade de comunicação surgiu no ângulo quente da esquina, acompanhando uma senhora, e encarnada na figura de um cão. Era um ‘basset’ lindo e miserável, doce sob a sua fatalidade. Era um ‘basset’ ruivo.

     Lá vinha ele trotando, à frente de sua dona, arrastando seu comprimento. Desprevenido, acostumado, cachorro.A menina abriu os olhos pasmados. Suavemente avisado, o cachorro estancou diante dela. Sua língua vibrava. Ambos se olhavam.

      Entre tantos seres que estão prontos pra se tornarem donos de outro ser, lá estava a menina que viera ao mundo para ter aquele cachorro. Ele fremia suavemente, sem latir. Ela olhava-o sob os cabelos, fascinada, séria. Quanto tempo se passava? Um grande soluço sacudiu-a desafinado. Ele nem sequer tremeu. Também ela passou por cima do soluço e continuou a fitá-lo.


    Os pelos de ambos eram curtos, vermelhos.Que foi que se disseram? Não se sabe. Sabe-se apenas que se comunicaram rapidamente, pois não havia tempo. Sabe-se também que sem falar eles se pediam. Pediam-se, com urgência, com encabulamento, surpreendidos.

        No meio de tanta vaga impossibilidade e de tanto sol, ali estava a solução para a criança vermelha. E no meio de tantas ruas a serem trotadas, de tantos cães maiores, de tantos esgotos secos – lá estava uma menina, como se for a carne de sua ruiva carne. Eles se fitavam profundos, entregues, ausentes de Grajaú. Mais um instante e o suspenso sonho se quebraria, cedendo talvez à gravidade com que se pediam.

 
    Mas ambos eram comprometidos.Ela com sua infância impossível, o centro da inocência que só se abriria quando ela fosse uma mulher. Ele, com sua natureza aprisionada.A dona esperava impaciente sob o guarda-sol. O ‘basset’ afinal despregou-se da menina e saiu sonâmbulo. Ela ficou espantada, com o acontecimento nas mãos, numa nudez que nem pai nem mãe compreenderiam. Acompanhou-o com os olhos pretos que mal acreditavam, debruçada sobre a bolsa e os joelhos, até vê-lo dobrar a outra esquina.Mas ele foi mais forte que ela. Nem uma só vez olhou para trás.

segunda-feira, 29 de março de 2010

FILHOS RUIVOS! POR QUÊ NÃO TÊ-LOS?

  

   Se você é apaixonada (o) por crianças ruivas e sempre teve a curiosidade de saber ou mesmo de ter um filho ruivinho, não se preocupe: nós encontramos a solução. A receita que daremos aqui tem 100% de aprovação.

   Agora que o segredo será revelado você precisa fazer uma decisão muito importante e séria. Precisamos saber se realmente você está preparado(a) para ver o seu filho(a) receber alguns apelidos maldosos, que certamente surgirão durante a infância e adolescência. Antes de darmos a receita queremos saber se você está disposto(a) a gastar uma grana com protetor solar e dermatologistas e, prometer, que em hipótese alguma, vai pintar os cabelos do seu filho de outra cor. Promessa feita?

     Após uma pequena reflexão, pois não adianta passar muito tempo enrolando vocês, vamos a dica. Pegue uma foto sua e uma de um pretendente seu, pode ser do marido ou da esposa. Se um dos dois for ruivo aumenta a probabilidade, se não for, pinte os cabelos de ambos, no Fotoshop, depois use o programa Makemebabies, pelo menos aqui o seu filho(a) vai sair ruivinho. Já na vida real, só Deus sabe!



Relizamos o sonho do Pedro e aumentamos o número de ruivos no planeta. Faça  seu ruivinho e mande para o nosso e-mail: osruivos@ol.com.br , quem sabe ele não vem parar no nosso Blog.

segunda-feira, 22 de março de 2010

PERSONAGENS RUIVOS


   Os ruivos sempre permearam o nosso imaginário, principalmente, o imaginário infantil. Os desenhos animados e os quadrinhos são provas de que, os personagens ruivos, cabelos avermelhados ou alaranjados, chamam a atenção da criançada e dos adultos. Por isso, resolvemos apresentar aqui alguns personagens e relembrar a nossa infância. Ah! Você pode ajudar. Escreva em nosso comentário a personagem que você lembra e mande o desenho e o nome para nosso e-mail: osruivos@uol.com.br.   Aumente a nossa lista.


   No desenho do He-Man uma das heroínas era Teela. A ilustração aqui foi feita pelo Frank Cho. Pelo jeito, o Homem–Fera  é  mais chegado a heroínas  do que o He-Man.






Jean Grey: a mais conhecida integrante do elenco feminino dos X-Men.



Hera Venenosa: Vilã das histórias do Batman. Sua sensualidade é aflorada quando desenhada por Bruce Timm.





Sonja é  guerreira dos quadrinhos de Conan: O Homem-Arranha encontra Sonja.


A  querida Dafne do desenho Scooby-Doo.


 Sheilla do desenho Caverna do Dragão

Ta faltando os rapazes. Dá uma força! 



domingo, 7 de março de 2010

ÍCONES RUIVOS FEMININO - por Adélia Jeveaux

Nossa homenagem ao dia internacional da mulher. O texto é de Adélia Jeveaux,  parceira do Movimento Vermelho.

                                       Christina Hendricks

Sempre achei ruivos e ruivas um máximo. Desde pequena eu sentia uma forte identificação com os ruivos, e ter nascido com cabelo castanho parecia um cruel erro da genética, uma injustiça para com a minha branquelice e as minhas sardas. Por isso, desde muito cedo na vida, penso nos ruivos e ruivas como “aquele restrito grupo do qual eu quero fazer parte”. Portanto, com a sinceridade da minha ruivice honorária (leia-se: de farmácia), fui inspirada pela peça “Os Ruivos” e pelo blog Liga das Ruivas a fazer um apanhado dos ícones femininos ruivos da minha vida.

Começando pela primeira infância, nos idos de 1989, impossível não citar Ariel. Uma das personagens mais queridas da Disney, tem longas madeixas cor de sangue, foi motivo da primeira catarse da minha vida quando, com meses de idade, vi Ariel na tela de um cinema e pensei: é isso, quero ser assim quando crescer. A boneca da Ariel era, naturalmente, uma das minhas favoritas, e se destacava em meio àquele monte de Barbies loiras e iguais. Disputando a atenção com a boneca da Ariel, tínhamos a Moranguinho – clássica, timeless (mas eu a achava um tanto fedorenta, então ficava com a Ariel mesmo).

Alguns anos depois, comecei a ver “Caverna do Dragão”. Sheila pode não ser a mais legal das personagens desse desenho, mas ela era ruiva, então, naturalmente, era minha preferida. Até sardas ela tinha. Ainda que fossem aquelas três míseras sardinhas em cada bochecha, bem coisa de desenho mesmo.

Lá pelos 5 anos de idade, em 1994, desenvolvi o gosto por um desenho japonês que, para uma menina, soava inusitado (leia-se: era motivo de piadinhas e humilhação na sala): Cavaleiros do Zodíaco. Se você lembra dos personagens, sabe que a irmã do Seiya, Marin, era ruiva. Não é incrível? Um desenho japonês, que se passa na Grécia, tem uma personagem de suma importância (ai de quem diga que não) que é ruiva. O único problema é que eu era apaixonada pelo Seiya, então não dava pra “ser” a Marin, né. Seria estranho. Enfim.

Seguindo em frente, os anos de 1998/99 têm uma importância especial. Foi quando vi Lindsay Lohan pela primeira vez. Tudo bem que Lindsay não é exatamente o que podemos chamar de musa, mas em “The Parent Trap” ela era uma ruivinha (ou melhor, duas ruivinhas) linda, com um cabelo sensacional e sardas pipocantes pela cara toda. Também foi o ano em que vi “Titanic”, cuja heroína, Kate Winslet, exibe belas e cacheadas madeixas rubras. (Ok, sabemos que era pintado, Kate não é ruiva natural, mas quem liga?) Foi também em 1999 que conheci Julianne Moore, ruiva- mor-de-todos-os-tempos. E foi nessa época que estouraram as Spice Girls, que tinha a Geri Halliwell e seu estranho apelido de Ginger Spice, que só depois veio a fazer sentido.

Quem via o seriado “Sabrina – a bruxinha feiticeira”, também nessa mesma época, sabe que a melhor amiga dela era ruiva. Aliás, o Nickelodeon era ótimo pra essas coisas: havia um seriado chamado “Pete & Pete”, sobre dois irmãos, e os dois eram ruivos, e o irmão e o pai da Melissa Joan Hart em “Clarissa” eram ruivos também.

Anos depois, lá por 2001, a Sony exibiu uma série com Cybil Shepherd, cuja filha fictícia era a ruiva Alicia Witt. No mesmo canal, That 70’s Show tinha Laura Prepon como Donna – ruiva e, óbvio, minha personagem preferida do seriado. Aliás, nas últimas temporadas ela causou grande decepção ao pintar seu cabelo de loiro.

Em Arquivo X, ainda que não fosse muito a minha praia, tinha a Scully, interpretada por Gillian Murphy. Sem falar em Jessica Rabit, perpetuando a imagem da ruiva fogosa (má escolha de palavras), mesmo em desenho animado, bombando na Tela Quente e Sessão da Tarde ao longo da década de 90.

Durante a adolescência também não faltaram musas ruivas em quem me inspirar. Na música, tinha Melissa Auf Der Maur, baixista do Hole e do Smashing Pumpkins, Shirley Manson, vocalista do Garbage, Tori Amos, cantora e pianista. Eu via “Buffy – A Caça-vampiros” só porque achava a Allison Hannigan demais. No cinema, pipocaram ruivas (naturais e honorárias) como Cate Blanchett em “Vida Bandida” (até hoje na briga pelo topo da minha lista de ruivas favoritas), Bryce Dallas Howard, de “A Vila”, Nicole Kidman (especialmente naquele filme com a Sandra Bullock, em que elas são bruxas – meu deus, que cabelo), Kelly Reilly (de “Albergue Espanhol” e “Bonecas Russas”), Kirsten Dunst em “Homem Aranha”, e conforme eu fui descobrindo o cinema antigo, figuras como Lauren Bacall, Rita Hayworth, Moira Shearer apareceram pra engordar a lista. Quem curte filmes dos anos 80 sabe que Molly Ringwald era uma figura importante no cinema da época, nos filmes de John Hughes – adivinha: ruiva.

Hoje em dia, estão em destaque Amy Adams, Isla Fisher, Marcia Cross, Debra Messing, Cynthia Nixon e Kate Walsh nas séries e no cinema, Lily Cole, Jessica Stam e Karen Elson na moda, Regina Spector na música… A lista é longa, viu! E se eu sei os nomes delas todos é porque, desde cedo, desenvolvi o hábito de memorizar os nomes de ruivas, uma vez que elas apareciam menos do que loiras e morenas, e era sempre com elas que eu me identificava mais, eram as que eu queria “ser”.

Entre as brasileiras, temos Alessandra Maestrini, Maria Eduarda, Camila Morgado (aquele cabelo de “A Casa das Sete Mulheres” era tudo ein), e a honorária das honorárias, Julia Petit – cuja ruivice não-genética é tão convincente que nem todo mundo sabe que seu cabelo é pintado.

E, ultimamente, devo dizer que minha musa ruiva preferida tem sido Christina Hendricks, do seriado “Mad Men” (reparem que nos seriados as ruivas marcam presença). Não sei se ela é ruiva natural, só sei que é linda e poderosa, um pouco na linha Jessica Rabbit, mas de carne e osso, e em evidência na midia atual. Entre os homens, meu preferido isolado tem sido Michael C Hall, de “Dexter” – um espécime digno, pra dizer o mínimo.

Às atrizes/cantoras/modelos/desenhos animados que queiram se juntar ao movimento, sempre tem espaço pra mais uma! Junte-se a nós e inspire uma menina ruiva a gostar de si mesma, ou uma não-ruiva a virar ruiva (como eu!).

Por Adélia Jeveaux



segunda-feira, 1 de março de 2010

DO RIO DE JANEIRO PARA O BRASIL


Hoje, dia primeiro de março, a cidade do Rio de Janeiro completa mais um ano de vida. Ao todo, já são 445 anos de existência. E foi em meio a essa natureza e esse calor intenso que criamos a peça e o nosso movimento. Agora, nos preparamos para viajar por esse Brasil e queremos que você, ruivo de cor ou de alma, nos ajude a escolher pra onde vamos.

Você, que ainda não assistiu à peça porque infelizmente não nos recebeu em sua cidade, tem agora a oportunidade de fazer o seu pedido. Basta dizer o nome da cidade e seu e-mail.

Estamos também colocando, aqui na lateral do nosso blog, as principais matérias que saíram, além dos programas de TV que participamos, pra quem não sabe exatamente como tudo começou e pra mostrar curiosidades e histórias que contamos na peça. Está aberta a sessão “Onde você quer que Os Ruivos estejam”. Contamos com você.

Pedro Monteiro

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

MANIFESTO RUIVO

PELO DIREITO GAY À FARDA


No último dia 3 de fevereiro de 2010, o General Raymundo Nonato de Cerqueira Filho assim afirmou, referindo-se aos homossexuais: “Não é compatível um indivíduo assim com o trabalho das Forças Armadas. O indivíduo não consegue comandar. A tropa não vai obedecer” (Jornal O Globo, pg.12). O militar defendeu que apenas os gays que escondem sua opção sexual têm condições de vestir a farda. A declaração foi dada ao Senado, que validava a nomeação do general para o Superior Tribunal Militar.

OS RUIVOS vêm a público para repudiar a posição do militar sobre o tema e defender o livre direito de ir, vir, trabalhar e existir dos homossexuais. Conforme amplamente verificável em diversas atividades e ramos da sociedade, homossexuais ocupam, com total capacidade, funções das mais variadas, inclusive as que demandam comando e liderança.

Consideramos um atraso declarações que ainda resgatam a antiga ideia de que gays devem esconder-se sob disfarces, por conta da intolerância ainda praticada por parte da sociedade. Como uma comunidade que também sente na pele o duro sentido das palavras chacota e segregação, OS RUIVOS manifestam sua solidariedade aos homossexuais, contra qualquer tipo de preconceito e exclusão.

Para dar a sua opinião e assinar o manifesto, escreva para: osruivos@uol.com.br

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

NOSSO COLUNISTA RUIVO

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

TEMPORADA DOS RUIVOS (Shopping da Gávea - R.J.)


                                          LIORA

Depois do encerramento da nossa quinta temporada pelo Brasil, um descanso foi merecido. Sou ruivo, mas não sou de ferro. Ainda que eu tenha sardas que se pareçam um tanto com ferrugem. Enfim, estou certo de que o balanço foi positivo e que tudo ocorreu da melhor maneira possível.


     A estreia da nossa peça, em outubro de 2008, no teatro Sergio Porto, na zona sul do Rio, a princípio seria seguida por mais três apresentações. Chegamos a fazer oito, mas devido a boa média de público, ou seja, bombamos, conseguimos estender por mais um mês, sempre às quintas. Depois caímos no mundo. Percorremos vários municípios e fomos até São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, mas a vontade de se apresentar de novo por estas bandas ficava martelando a minha cabeça.


     No natal de 2008, fui assistir a uma peça do Domingos de Oliveira e, infelizmente não puder ver. Estava lotada. Aí, eu pensei com meus botões: Se “Os Ruivos” tiver fôlego, volto pro Rio no Natal. E assim aconteceu! A escolha pelo Teatro dos 4, não podia ser melhor. Fomos recebidos por uma equipe simpática e prestativa com um espaço cênico perfeito para nós, já que o palco fica abaixo do nível da platéia; isso é bom para que o público possa ver, com facilidade, todos os objetos que são expostos durante os 60 minutos de peça. Além disso, o teatro tem 400 lugares, uma boa capacidade para nossas sessões mais procuradas.


   As novidades que trouxemos para esta temporada, que apelidamos, nos bastidores, como temporada “Natal Ruivo”, foram um sucesso. Conseguimos atrair um grupo que, necessariamente, não era de atores, para subir no palco e participar da cena do protetor solar, na qual, de 15 em 15 minutos, o ruivo para o que está fazendo e passa protetor solar. Realizamos a transformação de morenos, pardos e até negros em ruivos, com a pintura de cabelo no palco feita em parceria com o salão de cabeleireiro da ELIETE. Além disso, tivemos uma boa média de público, diversos parceiros que contribuíram muito para nossa temporada e um número grande de ruivos na plateia. Principalmente no último dia, que parecia que o teatro “pegava fogo”.


    Na penúltima sessão, faltando uns 15 minutos pro fim da peça, no momento onde todos param o que estão fazendo pra passar protetor, o palco é invadido. Nesse dia foram ao todo 12 pessoas, que estavam passando protetor pelo corpo. Então, surge um “hahaha” vindo da plateia. No primeiro segundo eu não sabia o porquê, mas foi só virar para o canto esquerdo do palco, logo na boca de cena, que vejo nada mais, nada menos, que uma mãe passando, com um dedinho só, o protetor solar numa ruiva linda, de apenas um ano e poucos meses. Liora é o seu nome. Durante uns 10 segundos, atores, técnico e equipe juntaram-se à plateia e ficamos maravilhados, com tudo aquilo que acontecia. Fiquei observando a melhor passagem de protetor solar já vista até hoje. Comprovando que a peça é pra toda a família, de bebê a até bisavó.



* Logo, logo, estaremos colocando aqui a nossa próxima apresentação dos Ruivos pelo Brasil. Até porque, esse é o nosso objetivo em 2010: viajar com a peça para todos os cantos verdes, amarelos e também vermelhos desse país de todas as cores.





quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Os Ruivos: Preconceito é o combustível para o humor




Por Mario Abbade
09/01/2010

O preconceito sempre foi um motivador da comédia. Através do humor, diversos autores puderam denunciar os temas mais variados. Munido de anos de brincadeiras sofridas decorrentes da cor de seu cabelo e pele, Pedro Monteiro resolveu exorcizar seus próprios demônios na peça Os Ruivos, em cartaz no Teatro dos 4, no Rio de Janeiro.


Com muito bom humor, Pedro descreve sua vida desde a infância sobre os apelidos e situações constrangedoras que passou ao longo dos anos. O texto foi escrito em parceria com Leonardo Neves, que brinca com o preconceito de ter o cabelo vermelho e pele branca cheia de sardas no Brasil, que não possui em seu Censo uma classificação para as pessoas ruivas.


Partindo dessa idéia, Pedro vai alfinetando certas idiossincrasias da sociedade. Servindo com uma espécie de sua consciência, tem a presença hilária de Dida Camero. A química da dupla funciona, que através de um diálogo bem informal com o público, arranca gargalhadas com simples contestações que passam despercebidas no dia-a-dia.

Crítica do Mario Abbade, que saiu no Almanaque.
Acesse: Almanaque Virtual

domingo, 10 de janeiro de 2010

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

OS RUIVOS NO RJTV

PEDRO RUIVO CONVIDA VOCÊ PARA PARTICIPAR DO NOSSO BLOG


Domingo, dia 10 de janeiro estaremos fazendo apresentação número 130 da peça e será a última sessão no teatro dos 4. Por isso venho aqui convocar todos os ruivos, brancos, negros, índios e pardos para assistirem a nossa despedida dos palcos cariocas. Ao mesmo tempo também quero comemorar com vocês a marca de 20.000 mil acessos no nosso blog. É uma marca e tanto. Nossa estréia aqui foi dia 19 de setembro de 2008 e desde lá estreitamos as nossas relações conversando e falando um pouco de ruivos, preconceito e diferenças. E em 2010 continuaremos com a nossa missão: Levar esta peça para todos os cantos desse Brasil. Ah! e não deixe de ouvir o meu convite no player abaixo, ok!

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

OS DEZ MANDAMENTOS RUIVOS





1. Por um presidente ruivo em 2010


2. Cota ruiva nas universidades


3. Por um protetor solar fator 100


4. Adote um ruivo


5. Pela criação da parada do orgulho ruivo


6. Meia-entrada em dermatologistas


7. Por um jogador ruivo na seleção brasileira


8. Pela criação do dia da consciência ruiva


9. Doe protetor solar


10. Ferrugem para mascote das olimpíadas de 2016





Certamente você já ouviu estes mandamentos em nossa peça, mas se não ouviu, precisa ouvir de perto no teatro dos 4. Ouça o convite que Pedro ruivo tem pra você. Aperte  nosso player.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

DESCONTO NO BLOG RUIVO


VOCÊ QUE SEMPRE ACOMPANHOU O NOSSO BLOG E PARTICIPA DO MOVIMENTO VERMELHO, AGORA VAI DESFRUTAR DAS VANTAGENS DE SER DA NOSSA TRUPE. IMPRIMA O FLYER E PAGUE R$ 15,00 NO INGRESSO DE NOSSA PEÇA, NO TEATRO DOS 4. OU ENVIE O SEU NOME PARA O E-MAIL OSRUIVOS@UOL.COM.BR COM O ASSUNTO PROMOÇÃO (ATÉ 15H DE SEXTA-FEIRA ) E PAGUE APENAS R$ 15,00!


. ÚLTIMA SEMANA, NÃO PERCA!!!!!

RUIVO MISTERIOSO






A distância entre Brasília e Rio de Janeiro é de 1140 km, se a pessoa viajar de carro pode gastar em média 14hs, de ônibus até 18 horas. A pergunta é a seguinte: você sairia da sua cidade para assistir uma peça de teatro? Este ruivo aí da foto acima disse que sim. A diretora da peça, Os Ruivos, Cynthia Reis, Encontrou este rapaz, que confesso ainda não sei nome, mas em breve publico para vocês, em São Pedro da Serra a 180 km do Rio, quando foi passar o feriado com a família. Uma coincidência fácil de acontecer, já que o rapaz saiu de Brasília para ver a peça e até fez uma camisa inspirada no Movimento Vermelho, e anda com a camisa por todos os lugares, segundo a nossa diretora. O rapaz disse que vai assistir à peça está semana e que depois volta para Brasília.  Pedro Chama o ruivo misterioso para subir ao palco. A PERTE O PLAYER  E OUÇA O CONVITE QUE OS RUIVOS TEM PARA VOCÊ