segunda-feira, 9 de agosto de 2010

RUIVOS SOMOS TODOS NÓS!!

     Outro dia uma menina ruiva me parou na rua, aqui no Rio de Janeiro, e me perguntou se a peça ainda estava em cartaz. Eu falei que sim. Aqui no Rio ainda ainda não temos data para voltar. Expliquei também que estamos viajando pelo Brasil, apresentando a peça em algumas cidades. A menina falou, logo em seguida, que ficou impressionada com à proporção que a peça tomou, ainda mais por ser tratar de um tema muito “restrito”: os ruivos.

     A peça, como o próprio nome já diz, fala dos ruivos. O que essa menina, não sabe, e que muita gente também não sabe, é que esta peça fala também de outras pessoas que necessariamente não são ruivas, mas já passaram ou até passam por situações que são colocados como diferentes; fora de um padrão estético. Ao invés de “Os Ruivos” a peça poderia ter tido outro nome, como realmente teve, pois quando escrevemos a peça, a mesma chamava-se “Os Excluídos”. Só trocamos depois de muita insistência.

  Todos estão convidados a compartilhar momentos de exclusão com muito humor, pois já basta o quanto choramos ou nos sentimos mal por termos essa cor de pêlo, essas sardas pelo corpo e virarmos ponto de referência. Na peça podem chegar ruivos, pardos, negros, gordos, magricelas, cabeludos, barrigudos e todos os outros que, mesmo eu não escrevendo aqui, se identificam com a nossa intenção.


PEDRO MONTEIRO